As muitas maneiras dos cultos dos Orisa

As muitas maneiras dos cultos dos Orisa

As muitas maneiras dos cultos dos Orisa 567 567 Renata Barcelos - Yemojagbemi Omitanmole Arike

Do erro mais comum quando começamos a estudar a religião tal como é praticada em terra Yoruba é acreditar que lá tem algo moldado em formato único e que todo mundo em todos os lugares praticam exatamente a mesma coisa.

Algo que fui me dar conta anos depois de começar estudar e que não precisei fazer um mestrado em antropologia para observar, é que os cultos de Orisa em terra yoruba se desenvolveram de diferentes maneiras naquele solo, e tal qual acredito que nunca houve uma única e coesa forma de culto nem mesmo em um passado remoto.


Da mitologia de criação do mundo : Os yoruba tem muitas mitologias de criação do mundo que são vigentes ao mesmo tempo para comunidades diferentes.

Da origem: O grupo yoruba é de fato um apanhado de etnias diferentes, nas etnias: famílias tradicionais distintas e todos hoje já inter relacionados – seja por força da migração e casamentos, coabitam mesmos espaços e contudo criaram suas diversas maneiras de culto.

Da força do Orisa: Os yoruba acreditam que a concepção originaria de sua família teve a intervenção de um orisa, isso fica ainda mais evidente quando lemos as historias de fundação das cidades, mesmo no sentido recente, encontramos dados registrados onde dizem ” foi ogun que mandou ir para lá” , sango veio aqui, osun nos protegeu, foi uma indicação de Orunmila, o rei casou com Yemoja” etc.. e também muitas famílias se dizem consanguíneas dos próprios Orisa, dado que eles acreditam que muitos Orisa habitaram a terra em diferentes momentos . O caso mais evidente é o de Sango, que consta nos registros oficiais de Oyo – com nome Tella Oko, 3 alaafin foi reconhecido como próprio Sango na terra e até hoje acreditam em sua linhagem viva.

Neste ponto é onde entra o culto famíliar onde sua origem vem de um orisa, e os descendentes fazem parte de levar a continuidade do culto daquele Orisa para frente, em uma escala até hoje muito patriarcal, a chance da mulher de uma matrimonio levar o culto dela adiante para seus descendentes se da tb pela linhagem do pai dela, ou se foi prometido antes do nascimento, no entanto, o Orisa dela não é esquecido e seu filho poderá cultuar, e ai onde começamos a ver a fusão entre famílias e a aglutinação de orisa dentro de uma casa, agora o fato curioso é que em muitos locais ainda se vê famílias com poucos ou apenas 1 orisa dentro de sua casa. Ou ainda tal qual tentarei falar no próximo bloco , aglutinasse um orisa que se “tornou ” obrigatório o mais popular.

– A religião yoruba é uma constante transformação isso pq não envolve apenas o aspecto litúrgico de religião, e sim o aspecto social —

O aspecto é confuso, e confesso que ainda hoje nem tudo está organizado na minha cabeça e ainda mais difícil é explicar, os yoruba possuem dezenas de Orisa ativos no panteão e alguns são mais cultuados em uma parte que em outras e algumas delas nem conhecem o Orisa de outro lugar. Racionalmente poderia até dizer que alguns foram criado com o tempo, religiosamente todos habitam o Orun antes mesmo dos seres humanos se darem conta.

Sem duvidas alguns Orisa se proliferam mais que outros, e ganharam força, fazendo com que fosse conhecido e cultuado em quase todas as áreas yoruba, difícil explicar como foi a propagação de cada um dos Orisa, mas em termos gerais o que sem duvidas ajudou na popularidade foi o sucesso da própria família de um Orisa, os Reinados que são vinculados com Orisa e levam junto a fama, durante o império de oyo existem relatos de Atanda, que Sango foi considerada a religião nacional – Império de Oyo – do reino do Orisa Sango vinculado até dias atuais com a coroa do rei.

A minha insistência em dizer que todos que Orisa é mais que religião mas esta vinculado com os papeis na sociedade , e cuidado com o local que se vive, orquestra inclusive novas atividades aos próprios Orisa com o tempo, o povo de Ogun ainda tem famílias de ferreiros, de caçadores, que patrulha nas ruas e estradas, as famílias de Osun e Yemoja, cuidam do rio perto de suas comunidades, outro dado é que um verso em ibara refere a yemoja como aquela que tinge tecidos, também há um verso neste sentido sobre Osun -algo bastante cotidiano, essas são atividades dos próprios povos e das famílias na qual os orisa vem os protegendo em suas tarefas que dão sua sobrevivência ainda assim em dias atuais.

Em tempos de conflito com grupos étnicos rivais, o povo de ogun ganha sua gloria, e talvez seja um abuso da minha parte afrimar que talvez é assim que muitas famílias entendem em muitos lugares ao mesmo tempo que o Orisa ogun tem muito valor e seria melhor que cada família, ou vila tivesse seu próprio local de culto deste Orisa.. Proteger sua casa sua vila. tal coisa parece mesmo estranha.. e mal consigo organizar totalmente a linha de raciocínio pq ela esta mais para um 3d que 2D, – a coisa é que outro Orisa não ganham tanta necessidade de ter em cada comunidade de orisa seu próprio posto de culto, oya, osun, yemoja.. obatala mesmo.. em alguns locais vera apenas famílias especificas cultuando. Minha intenção não é rescrever Samuel Jonshon e toda a historia dos yoruba aqui, mas fazer você entender que a complexidade é imensa.

É realmente complexo, em Abeokuta onde vi vilas com concentrações grandes de assentamentos de Orixás, em um mesmo local, 12, 18, 20 talvez se de pela historia das migrações que obrigaram forçadamente uma aglutinação, ou organicamente entenderam ser melhor cultuar o máximo de orixá possíveis dado o contato com conhecer o culto de outro Orisa. difícil saber, e ainda para complicar, também na mesma cidade se encontra famílias que não aglutinaram tantos orisa e continuaram fieis a seu único Orisa de linhagem. E outros locais como Oyo muitas vezas casas e vila com 1 Orisa focal central tal qual entendem que uma outra família já está cultuando o outro orisa, não que tb não possam cultuar, mas muitas vezes nem tem dentro de suas casas um “assentamento ‘ de um outro Orisa que não o familiar.

Já esta virando um livro, mas então a questão – todas famílias ali são yoruba nativas donas da sua historia e seu caminho, construtoras e mantenedoras de seus orisa, tal qual desenvolveram em diferentes lugares, baseado em sua própria necessidade e em seu poder de adaptação de diferentes formas de cultuar as dezenas de Orisa, em um cenário tão grandioso que não sei dizer se eles sabem que o é se tem consciência sobre isso , pq como disse tem lugar que não conhece o orisa que outro cultua.

Exemplos neste sentido não faltam, talvez por dezenas de vezes perguntei em um lugar sobre um orisa e disseram não conhecer, ou que não tinha culto ali, mas em outra parte cultuavam e apontavam rapidamente quem eram as famílias de culto.

Conteúdo protegido